#purpuradetrombocitopenicaidiopatica

#itp

Scared..once again this’s happening to me? Oh my God. #purpuradetrombocitopenicaidiopatica

#itp

Scared..once again this’s happening to me? Oh my God.

#purpuradetrombocitopenicaidiopatica

#itp

Scared..once again this’s happening to me? Oh my God.

Deus sabe, Deus ouve, Deus vê.

Ser criança é muito bom.
Quem lembra de bons momentos de infância?
Eu lembro que minha mãe brincava comigo de boneca, vestia as barbies, fazias as roupas pra elas (muito estilista minha véia), dava “remedinho” pras outras bonequinhas, me ensinava a brincar de comidinhas, chás, e outras coisas de menina.
Meu pai por sua vez reunia eu e meu irmão pra brincar de vôlei na rua, futebol no quintal, fazia a gente suar na sala correndo e pulando. Nos estimulava ao esporte e a cansar. hehe
Os dois me ensinaram a usar o lúdico de maneira saudável.
Eu lia jornais e revistas (super interessante, readers digest, galileu) no tempo livre, e nas férias fazia resenhas de como era os dias, escrevendo coisas boas e ruins.
Meu pai e minha mãe sempre me estimularam a saber das coisas. Lembro-me até hoje de quando eles compraram o “guia dos curiosos”, um livro falando de invenções, datas e fatos curiosos. Amava.
Hoje, eu com meus dois filhos não tenho tantos recursos quanto meus pais tinham (dinheiro e clima). Mas boa vontade e criatividade não me faltam.
Brinco com eles, invento coisas pra fazer nos três cômodos de casa, afugento os choros aburridos de crianças infurnadas o dia todo em casa, pulo, danço, faço simplesmente de tudo. Pesquiso brincadeiras pra dentro de casa (nesse inverno rigoroso, chegou a fazer menos 40 graus célsius, e diariamente, durante dois meses, menos 10 graus célsius era coisa básica..)
Brincar com nossos filhos faz parte do crescimento deles. Estimulá-los a pensar, criar e inventar coisas pra fazer é trabalho da mãe, ou pai, que ficam em casa.
Imagino que seres humanos melhores tem que ter um pouco da criança em si. Ser criança é muito bom.
Quem lembra de bons momentos de infância?
Eu lembro que minha mãe brincava comigo de boneca, vestia as barbies, fazias as roupas pra elas (muito estilista minha véia), dava “remedinho” pras outras bonequinhas, me ensinava a brincar de comidinhas, chás, e outras coisas de menina.
Meu pai por sua vez reunia eu e meu irmão pra brincar de vôlei na rua, futebol no quintal, fazia a gente suar na sala correndo e pulando. Nos estimulava ao esporte e a cansar. hehe
Os dois me ensinaram a usar o lúdico de maneira saudável.
Eu lia jornais e revistas (super interessante, readers digest, galileu) no tempo livre, e nas férias fazia resenhas de como era os dias, escrevendo coisas boas e ruins.
Meu pai e minha mãe sempre me estimularam a saber das coisas. Lembro-me até hoje de quando eles compraram o “guia dos curiosos”, um livro falando de invenções, datas e fatos curiosos. Amava.
Hoje, eu com meus dois filhos não tenho tantos recursos quanto meus pais tinham (dinheiro e clima). Mas boa vontade e criatividade não me faltam.
Brinco com eles, invento coisas pra fazer nos três cômodos de casa, afugento os choros aburridos de crianças infurnadas o dia todo em casa, pulo, danço, faço simplesmente de tudo. Pesquiso brincadeiras pra dentro de casa (nesse inverno rigoroso, chegou a fazer menos 40 graus célsius, e diariamente, durante dois meses, menos 10 graus célsius era coisa básica..)
Brincar com nossos filhos faz parte do crescimento deles. Estimulá-los a pensar, criar e inventar coisas pra fazer é trabalho da mãe, ou pai, que ficam em casa.
Imagino que seres humanos melhores tem que ter um pouco da criança em si. Ser criança é muito bom.
Quem lembra de bons momentos de infância?
Eu lembro que minha mãe brincava comigo de boneca, vestia as barbies, fazias as roupas pra elas (muito estilista minha véia), dava “remedinho” pras outras bonequinhas, me ensinava a brincar de comidinhas, chás, e outras coisas de menina.
Meu pai por sua vez reunia eu e meu irmão pra brincar de vôlei na rua, futebol no quintal, fazia a gente suar na sala correndo e pulando. Nos estimulava ao esporte e a cansar. hehe
Os dois me ensinaram a usar o lúdico de maneira saudável.
Eu lia jornais e revistas (super interessante, readers digest, galileu) no tempo livre, e nas férias fazia resenhas de como era os dias, escrevendo coisas boas e ruins.
Meu pai e minha mãe sempre me estimularam a saber das coisas. Lembro-me até hoje de quando eles compraram o “guia dos curiosos”, um livro falando de invenções, datas e fatos curiosos. Amava.
Hoje, eu com meus dois filhos não tenho tantos recursos quanto meus pais tinham (dinheiro e clima). Mas boa vontade e criatividade não me faltam.
Brinco com eles, invento coisas pra fazer nos três cômodos de casa, afugento os choros aburridos de crianças infurnadas o dia todo em casa, pulo, danço, faço simplesmente de tudo. Pesquiso brincadeiras pra dentro de casa (nesse inverno rigoroso, chegou a fazer menos 40 graus célsius, e diariamente, durante dois meses, menos 10 graus célsius era coisa básica..)
Brincar com nossos filhos faz parte do crescimento deles. Estimulá-los a pensar, criar e inventar coisas pra fazer é trabalho da mãe, ou pai, que ficam em casa.
Imagino que seres humanos melhores tem que ter um pouco da criança em si. Ser criança é muito bom.
Quem lembra de bons momentos de infância?
Eu lembro que minha mãe brincava comigo de boneca, vestia as barbies, fazias as roupas pra elas (muito estilista minha véia), dava “remedinho” pras outras bonequinhas, me ensinava a brincar de comidinhas, chás, e outras coisas de menina.
Meu pai por sua vez reunia eu e meu irmão pra brincar de vôlei na rua, futebol no quintal, fazia a gente suar na sala correndo e pulando. Nos estimulava ao esporte e a cansar. hehe
Os dois me ensinaram a usar o lúdico de maneira saudável.
Eu lia jornais e revistas (super interessante, readers digest, galileu) no tempo livre, e nas férias fazia resenhas de como era os dias, escrevendo coisas boas e ruins.
Meu pai e minha mãe sempre me estimularam a saber das coisas. Lembro-me até hoje de quando eles compraram o “guia dos curiosos”, um livro falando de invenções, datas e fatos curiosos. Amava.
Hoje, eu com meus dois filhos não tenho tantos recursos quanto meus pais tinham (dinheiro e clima). Mas boa vontade e criatividade não me faltam.
Brinco com eles, invento coisas pra fazer nos três cômodos de casa, afugento os choros aburridos de crianças infurnadas o dia todo em casa, pulo, danço, faço simplesmente de tudo. Pesquiso brincadeiras pra dentro de casa (nesse inverno rigoroso, chegou a fazer menos 40 graus célsius, e diariamente, durante dois meses, menos 10 graus célsius era coisa básica..)
Brincar com nossos filhos faz parte do crescimento deles. Estimulá-los a pensar, criar e inventar coisas pra fazer é trabalho da mãe, ou pai, que ficam em casa.
Imagino que seres humanos melhores tem que ter um pouco da criança em si. Ser criança é muito bom.
Quem lembra de bons momentos de infância?
Eu lembro que minha mãe brincava comigo de boneca, vestia as barbies, fazias as roupas pra elas (muito estilista minha véia), dava “remedinho” pras outras bonequinhas, me ensinava a brincar de comidinhas, chás, e outras coisas de menina.
Meu pai por sua vez reunia eu e meu irmão pra brincar de vôlei na rua, futebol no quintal, fazia a gente suar na sala correndo e pulando. Nos estimulava ao esporte e a cansar. hehe
Os dois me ensinaram a usar o lúdico de maneira saudável.
Eu lia jornais e revistas (super interessante, readers digest, galileu) no tempo livre, e nas férias fazia resenhas de como era os dias, escrevendo coisas boas e ruins.
Meu pai e minha mãe sempre me estimularam a saber das coisas. Lembro-me até hoje de quando eles compraram o “guia dos curiosos”, um livro falando de invenções, datas e fatos curiosos. Amava.
Hoje, eu com meus dois filhos não tenho tantos recursos quanto meus pais tinham (dinheiro e clima). Mas boa vontade e criatividade não me faltam.
Brinco com eles, invento coisas pra fazer nos três cômodos de casa, afugento os choros aburridos de crianças infurnadas o dia todo em casa, pulo, danço, faço simplesmente de tudo. Pesquiso brincadeiras pra dentro de casa (nesse inverno rigoroso, chegou a fazer menos 40 graus célsius, e diariamente, durante dois meses, menos 10 graus célsius era coisa básica..)
Brincar com nossos filhos faz parte do crescimento deles. Estimulá-los a pensar, criar e inventar coisas pra fazer é trabalho da mãe, ou pai, que ficam em casa.
Imagino que seres humanos melhores tem que ter um pouco da criança em si.

Ser criança é muito bom.

Quem lembra de bons momentos de infância?

Eu lembro que minha mãe brincava comigo de boneca, vestia as barbies, fazias as roupas pra elas (muito estilista minha véia), dava “remedinho” pras outras bonequinhas, me ensinava a brincar de comidinhas, chás, e outras coisas de menina.

Meu pai por sua vez reunia eu e meu irmão pra brincar de vôlei na rua, futebol no quintal, fazia a gente suar na sala correndo e pulando. Nos estimulava ao esporte e a cansar. hehe

Os dois me ensinaram a usar o lúdico de maneira saudável.

Eu lia jornais e revistas (super interessante, readers digest, galileu) no tempo livre, e nas férias fazia resenhas de como era os dias, escrevendo coisas boas e ruins.

Meu pai e minha mãe sempre me estimularam a saber das coisas. Lembro-me até hoje de quando eles compraram o “guia dos curiosos”, um livro falando de invenções, datas e fatos curiosos. Amava.

Hoje, eu com meus dois filhos não tenho tantos recursos quanto meus pais tinham (dinheiro e clima). Mas boa vontade e criatividade não me faltam.

Brinco com eles, invento coisas pra fazer nos três cômodos de casa, afugento os choros aburridos de crianças infurnadas o dia todo em casa, pulo, danço, faço simplesmente de tudo. Pesquiso brincadeiras pra dentro de casa (nesse inverno rigoroso, chegou a fazer menos 40 graus célsius, e diariamente, durante dois meses, menos 10 graus célsius era coisa básica..)

Brincar com nossos filhos faz parte do crescimento deles. Estimulá-los a pensar, criar e inventar coisas pra fazer é trabalho da mãe, ou pai, que ficam em casa.

Imagino que seres humanos melhores tem que ter um pouco da criança em si.

Minha respiração 24h por dia.
Posso estar só o pó da rabiola, mas estou realizada de ter dado meu melhor. Minha respiração 24h por dia.
Posso estar só o pó da rabiola, mas estou realizada de ter dado meu melhor.

Minha respiração 24h por dia.

Posso estar só o pó da rabiola, mas estou realizada de ter dado meu melhor.

Days like these…

Tem dias que a tristeza bate forte. Essa depressão que não quero mais do meu lado, tenta me empurrar, chutar minha cabeça.

Tem dias que simplesmente flui uma tal de lágrima que insiste em escapar. E limpa meus olhos, embarga a voz.

O nome disso? Ah, essa é a famosa instabilidade, que faz titubear até a fé que tenho no meu Deus. Sei que Ele me mantém, sustém.Realmente acredito nisso e vejo muitos milagres acontecendo diariamente. Mas tem vezes que o lado humano grita. É aí que tento ser mais forte e desabo.

Choro até vendo a grama verde, que ficou encoberta durante 4 meses por uma camada grossa de gelo.

Hoje foi um dia pesado, com direito a muitas perguntas pra Deus.

E sabe o que Ele fez?

NADA.

Simplesmente manteve um silêncio que me constrangeu ao nível máximo.

Eu senti Seu abraço pelo sorriso dos meus bebês, que não tendo muito, tinham tudo. Felicidade.

Deus é meu amigo, protetor e meu consolador.

Limpa minhas lágrimas, mas não me priva de chorar.

Ele é bom. Todo tempo. Sempre.

Agradeço á Ele por nunca deixar faltar uma fraldinha e leite pros meus filhos. Frutas, legumes e grãos. Com isso a gente vai se virando.

Com Ele no comando posso entender, e simplesmente abaixo a cabeça. Vou em frente.

Estou tentando fazer meu melhor. E faço pra Ele, e por Ele, meu amigo Jesus.

lisyerizziolli:

Saudades da minha “zóio azul”. Ai mãe @mrizziolli quanta falta você me faz! Love you!

Filme = tempo perdido!

Perdi meu tempo ontem..

10 da noite eu assisti um filme.

O Lobo de wall street…

Não vou fazer resenha nenhuma, porque isso não merece.

Primeiro pelo fato de não valer a pena perder o tempo sagrado de 3 horas na frente do computador.

Segundo que não me acrescentou em nada. Assim (me justificando..rs), com taanta coisa ruim vista, amei mais meu marido e dei graças a Deus por sermos pobrinhos, felizes e com a família inteira. Dei graças a Deus também por não usar remédios, drogas, entorpecente nenhum para viver.

Terceiro, me fez refletir em quanto as pessoas idolatram o dinheiro. É uma obsessão. Vício. O indivíduo fica tão fascinado por ter, “ser”, aparecer..etc..que perde a noção da pureza, humildade…dá dó.

Não vou generalizar aqui, pois existe tanta gente boa que faz coisas importantes e honestas com o dinheiro que Deus lhes dá.

Enfim, fiquei chateada pela escolha errada de ontem a noite.

Poderia ler, ouvir músicas edificantes, fazer uns artesanatos..ou até dormir..rs..o mais importante não é?!

Quando a Annie nasceu, o Dud tinha um ano e 8 meses. Era meu bebê maior. O primogênito, no qual havia passado tempos deliciosos ao lado.

Com a chegada da baby girl, o Dudu passou a ficar mais carente, e eu aproveitava pra deixá-la dormir e corria pra brincar com ele.

Minha mãe sempre dizia que eu ia ficar com saudades mesmo tendo-o por perto. Senti mesmo.

Por isso hoje aproveito pra sair com ele, contar historinhas especiais pra ele. Tomar um suco, ou um leite com ele de noite.

Momento mamãe e Dudu.

E ele ama.

Sai cada pérola, que ele guarda pra mim.

Esses dias ele me olhou e pediu carinho. Eu simplesmente tive vontade de amassá-lo, com toda força. Mas fiz um carinho no corpinho dele, emocionada de vê-lo crescer tão rápido. E ele simplesmente me disse: -Que mão gostosa que a mamãe tem né?

Derreti de amor.

Amo meu pequeno, ainda bebê menino.

Chorei de saudades..hoje recompenso tudo.

Pois é, brincadeira boa mesmo é na cama da mamãe!

Que saudades dos meus instrumentos

Ai, ás vezes dá uma vontade de tocar na orquestra daqui com meu violino.

Saudades de afiná-lo, limpar com óleo da nózes a madeira que o luthier projetou para meu aniversário de 15 anos.

Gosto muito de música. É minha paixão. Minha inspiração pra tudo na vida. Até me desconcentro pra ouvir um bom som. Me deixa ativa, viva, emocionada.

Saudades da viola deixada no Brasil. Como eu gostaria de tocar as cordas, me debruçar e louvar meu Deus..

Saudades é uma palavra que está começando a me incomodar…e muito.

Wondering this green grass and bright sun for better warm days

Estava precisando ver o verdinho da grama.

A neve está derretendo, e o frio bem lentamente indo embora.

Estou até sonhando em correr com as crianças na grama, tomar um sol saudável na vida e dar um pontapé nessa hibernação, que durou até que demais pro meu primeiro inverno.

Pensava ser pior. Ainda bem que estou sendo um pouco positiva na vida. Mas as casas aqui tem uma calefação boa.

Ficamos quentinhos nestes três cômodos por quatro longos meses. Saíamos com a mesma escassez do sol.

Acho interessante a vontade do americano de sair, almejar por dias melhores. Quando vou ao mercado vejo muitos comprando ornamentos pro verão, coisas de piscina, outros comprando churrasqueiras e acessórios.

Isso me anima, porque sempre depois da tormenta vem o dia de sol não é mesmo?

Neve, my dear, já deu né?! Rs Neve, my dear, já deu né?! Rs Neve, my dear, já deu né?! Rs Neve, my dear, já deu né?! Rs Neve, my dear, já deu né?! Rs Neve, my dear, já deu né?! Rs

Neve, my dear, já deu né?! Rs

Neve, my dear, já deu né?! Rs Neve, my dear, já deu né?! Rs Neve, my dear, já deu né?! Rs Neve, my dear, já deu né?! Rs Neve, my dear, já deu né?! Rs Neve, my dear, já deu né?! Rs

Neve, my dear, já deu né?! Rs

Não tem melhor momento que esse no decorrer do dia. Estar com meus bebês é um presente inestimável de Deus. Não tem melhor momento que esse no decorrer do dia. Estar com meus bebês é um presente inestimável de Deus. Não tem melhor momento que esse no decorrer do dia. Estar com meus bebês é um presente inestimável de Deus. Não tem melhor momento que esse no decorrer do dia. Estar com meus bebês é um presente inestimável de Deus.

Não tem melhor momento que esse no decorrer do dia. Estar com meus bebês é um presente inestimável de Deus.

Que saudades.. Que saudades.. Que saudades.. Que saudades.. Que saudades.. Que saudades.. Que saudades.. Que saudades.. Que saudades..

Que saudades..